“Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar…
Amar é a eterna inocência,
E a única inocência é não pensar…” 
Fernando Pessoa

Quem nunca jurou para o outro ou para si mesmo que amaria até a morte?

Com 13 anos jurei à primeira namorada que a amaria para sempre. O namoro durou poucos dias e logo me conformei, pois dali a três anos eu ainda seria um moleque enquanto ela, que teria 16 anos, seria uma mulher.

Não sei contar a quantas declarei que as amaria para sempre e assim vivi muitos amores eternos. Como precisava estudar e trabalhar, sobrava o mínimo de tempo para cultivar o amor verdadeiramente romântico. 

A falta de dinheiro num tempo em que o homem deveria ser cavalheiro pagando a conta, também impedia encontros de verdade. Quando era possível uma sessão de cinema, alcançava uma felicidade indizível. Uns momentos na praça, onde podia tocar a mãozinha e olhar profundamente nos olhos, conversar e furtivamente beijar a face da garota…era o céu. 

 Jurei amor eterno. Jurei sim e voltaria a jurar. Não sei se pequei ao jurar, pois não me lembro se jurei por Deus, mas tenho a certeza de que jurei por mim mesmo. 

Amei, sim amei e tal amor não passava de uma amizade egoísta, pois queria sempre que ela (ou elas) fosse somente minha.

Vai distante o tempo em que se namorava para conhecer o outro, conhecer sua família, sem a preocupação da experiência sexual de hoje, chulamente chamada de teste drive.

Até mesmo se fazia poesia e sonhava nas letras de canções de amor. Foram falsas as juras? Claro que não, pois se o amor eterno jurado for lembrado enquanto durar a lembrança, será eterno.

“Dos braços que me abraçaram, dos lábios que me beijaram, já nem me lembro, nem sei, foram tantas as que me amaram, foram tantas as que amei. Mas tu, que rude contraste, tu que jamais me abraçaste, tu que jamais eu beijei, só tu em minha alma ficaste, de todas as que amei.”

Salmon Paiva – São José dos Campos 

Comentários

0 0 votos
Article Rating
Se inscrever
Notificar para
guest
1 Comentário
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
Maria Augusta de oliveira
Maria Augusta de oliveira
8 meses atrás

Nossa sem palavras,voltei no tempo e parece que nunca sai daquela época , amar é um sentimento inexplicável, não dá para mensurar , somente sentir e implorar a Deus para o tempo não passar.obrigada por fazer eu descobrir e sentir esse amor.

1
0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x
()
x

Assine nossa Newsletter!

[newsletter]